A disputa pela artilharia

Publicado 08/07/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

Se já não faltavam ingredientes para a grande decisão entre Holanda x Espanha, mais um molho na final da Copa do Mundo: o holandês Wesley Sneijder e o espanhol David Villa chegam à finalíssima na ponta da artilharia, ambos com cinco gols.

Wesley Sneijder, um dos artilheiros da Copa

Sneijder anotou um gol contra o Japão, na primeira fase, um contra a Eslováquia, nas oitavas-de-final, dois contra o Brasil, nas quartas, e um na semifinal, diante do Uruguai. Já Villa marcou dois contra Honduras e um contra o Chile, na fase de grupos, além de um contra Portugal, nas oitavas, e um diante do Paraguai, nas quartas-de-final.

Villa (à frente) também tem cinco gols marcados

No entanto, a tabela do Mundial ainda reserva uma partida antes da decisão do domingo, no Soccer City: a decisão do terceiro lugar, entre Uruguai e Alemanha, que será disputada no sábado. E tem gente louca pra abocanhar, ao menos, a chuteira de ouro. Pelo lado Uruguai, Diego Forlán tem quatro gols e Luis Suares, três. Os germânicos Thomas Muller e Miroslav Klose já anotaram quatro tentos na competição.

Klose, com 14 gols em Mundiais, ainda tem uma motivação extra. Caso balance as redes uma vez, igualará o brasileiro Ronaldo como o maior artilheiro de todas as copas.

Decisão para pôr fim a tabus

Publicado 07/07/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

A definição das finalistas da Copa do Mundo de 2010 – Holanda e Espanha – vem quebrar alguns paradigmas que circundam as decisões dos Mundiais. A primeira delas é que, depois de anos, teremos um novo integrante no seleto rol das Seleções que levantaram o troféu de campeão.

A última final entre times que nunca foram campeões havia sido disputada em 1978, entre Argentina e a Holanda, que antes havia disputado a decisão em 1974 e perdido para a Alemanha. A Espanha, por sua vez, chega à final pela primeira vez.

Puyol marca o gol que classificou a Espanha para uma inédita final

Um outro ponto a ser lembrado é que, ao menos temporariamente, cai por terra o mito de que ‘Time que chega favorito à Copa não ganha o título’. Ora, Espanha e Holanda, além de vencer todos os seus jogos nas eliminatórias europeias, aportaram no Mundial ostentando boas séries invictas.

Os Laranjas não perdem desde setembro de 2008 – 25 jogos sem derrota. Tudo bem que a Espanha perdeu para a Suíça na primeira rodada da Copa, mas carregava um cartel de 12 jogos de invencibilidade, desde junho de 2009.

Contra o Uruguai, Holanda comemora vaga para a final

Outro ponto que serve para sustentar a tese do favoritismo é a qualidade dos jogadores de cada time. Sneijder, destaque maior da Inter de Milão, e Robben, expoente do Bayern de Munique, duelaram recentemente pela final da Chapions League. A Holanda ainda conta com nomes como Van Bommel, do mesmo Bayern, Van Persie, do Arsenal, e Kuyt, do Liverpool, entre outros.

Já a Espanha tem a base do time montada por jogadores do Barcelona (Piqué, Puyol, Busquets, Xavi, Iniesta) e do Real Madrid (Casillas, Sérgio Ramos Xabi Alonso), além de Fábregas, Fernando Torres e David Villa.

Para finalizar, o campeão será o primeiro europeu a conquistar a Copa do Mundo fora do seu continente. O Brasil já havia feito o mesmo em 1958, na Suécia, e em 2002, na Coreia e Japão.

Pronto

Publicado 20/06/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

Tags:

Luís Fabiano é um excelente atacante. Um dos poucos titulares que aprovo nesta Seleção Brasleira. Pra mim, indiscutível. Dono da Camisa 9 do Brasil em uma Copa do Mundo e merecedor de tal honra. 

Centroavante do Sevilla fez por merecer

Mas já tem gente querendo comparar o segundo gol dele contra a Costa do Marfim com os gols de Pelé em 1958.

Era só o que me faltava.

Favoritos, sim

Publicado 20/06/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

Muito está se falando que Espanha e Alemanha ‘decepcionaram’ na Copa do Mundo 2010. A Espanha vinha como favorita, pegou uma Suíça que fez um bom jogo e perdeu. Mas a Espanha jogou mal? Não. Pelo Contrário.

Como já disse, apresentou um bom futebol, fez um jogo bom de ser visto. Pecou nas finalizações, mas tem uma equipe qualificada, com jogadores importantes e que querem mostrar serviço.

A Alemanha goleou a Austrália no primeiro jogo. No seguinte, perdeu pra Sérvia. Não jogou mal, buscou o gol a todo o instante. Podolsky perdeu um pênalti e teve pelo menos três outras chances de marcar. Não teve uma boa jornada, mas duvido que algum jogador no Mundial tenha a força física do camisa 10 da Alemanha. Ozil, parecido com César Polvilho, do Pânico, é um excelente jogador.

Estou torcendo para que Espanha e Alemanha avancem na Copa. Podem até ficar na primeira fase. Mas se isso acontecer, será uma tristeza para a Copa.

A Inglaterra, sim, me decepcionou. Sobre Dinamarca x Camarões: foi uma grata surpresa. Achava que seria uma tarde de sábado com um jogo ruim, mas me enganei. E é bom o zagueiro Kjaer.

Tá começando a empolgar

Publicado 17/06/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

Tags:

Finalmente a Copa do Mundo 2010 começou a melhorar. Os gols estão saindo com mais frequência, e consequentemente, o nível das partidas vêm subindo. Grécia x Nigéria, que tinha tudo para ser um jogo horroroso, foi até divertido.

A Espanha, que perdeu para a Suíça, decepcionou a muita gente. No entanto, na minha visão, dominou a partida em Durban e não conseguiu um melhor resultado por pecar nas finalizações. Mostrou um futebol vistoso, de visível qualidade, e acho que terá momentos melhores nesta Copa.

Algumas curiosidades:

Beausejour vence defesa de Honduras e conquista vitória que não vinha desde 1962

- Ao vencer Honduras por 1×0, com gol de Beausejour, o Chile acabou com um jejum de 48 anos sem vitórias em Copas.

- O Uruguai, que fez 3×0 na África do Sul, derrubou um tabu de 20 anos sem vencer em Mundiais. Os gols foram marcados por Forlán (dois) e Álvaro Pereira.

- Na mesma partida, o goleiro da seleção anfitriã, Khune, recebeu o cartão vermelho. Ele passou a ser o segundo goleiro expulso em Copas do Mundo. O primeiro havia sido o italiano Pagliuca, em 1994.

- O argentino Higuaín é o artilheiro do Mundial. Três gols em um só jogo não é pra qualquer um. Alguém aí duvida da Argentina?

Gregos comemoram primeiro gol em Copas do Mundo

- Já a Grécia pôs fim a duas incômodas marcas na partida contra a Nigéria. Marcou nada menos que seu primeiro gol em Copas e, de quebra, conseguiu vencer em Mundiais. Salpingidis marcou o primeiro e Torosidis decretou a virada.

Decepção

Publicado 13/06/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

Até o momento, a Copa do Mundo de 2010 tem sido péssima. Jogos horríveis, nos quais a mediocridade reina. É capaz de que o Campeonato do Nordeste, disputado neste hiato de competições importantes no Brasil, tenha melhor nível do que o Mundial da FIFA. Uruguai e França? Deprimente.

Acredite. Park é o melhor jogador da Copa até agora.

Pra termos uma noção, o melhor jogador que vi em campo foi o mediano Park Ji Sung, que me faz muita raiva no Campeonato Inglês. Suas atuações pelo Manchester United são muito, mas muito fracas. Vide final da Champions League 2008/2009. O English Team mais uma vez decepcionou. Senhor Robert Green, o que direi às gerações futuras? Fiquei com pena de você.

Em resumo foram cinco jogos, sete gols e pouco futebol jogado. Até porque o craque da Copa até agora é Park Ji Sung.

E aí, Maradona, como vão as coisas?

Ah, meu palpite continua. A Argentina de Maradona – de terno Armani, muito bem-cortado – será campeã. Mesmo com o parco futebol mostrado diante da péssima Nigéria. De bom, só o goleiro Enyeama.

O exótico Higuita

Publicado 11/06/2010 por Gabriel Accetti
Categorias: Uncategorized

Você provavelmente já viu este lance da foto abaixo. Essa é a famosa Defesa Escorpião de René Higuita. Mas em que Copa do Mundo ela ocorreu?

Higuita e o Scorpion Kick

Em nenhuma delas. Foi em um amistoso ocorrido no estádio de Wembley, Londres, em 1995, entre Inglaterra x Colômbia.

Pesquisando em um fórum de internet, vi que vários usuários aficionados por futebol acreditam que a defesa realmente ocorreu em uma Copa do Mundo. Talvez pela genialidade, o imaginário popular tenha passado a crer que tal lance só poderia ter surgido em um Mundial.

Em tempo: o excêntrico goleiro colombiano Higuita disputou a Copas do Mundo de 1990. Ficou marcado pelo vacilo na intermediária que permitiu ao camaronês Roger Milla marcar o gol da vitória de sua equipe nas oitavas-de-final.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.